segunda-feira, 3 de maio de 2010

αpenαa α gαrotα dα solidαo

Eu sou apenas a garota da solidão.

Sempre me encontrei muito bem sozinha, apenas eu e uma caneta, uma folha de papel qualquer que era rapidamente preenchida não apenas por palavras, mas por sorrisos, encantamento, e por vezes, lágrimas, dor e sangue.

Umas poucas pessoas quebravam essa solidão, e descobriam aos poucos o tanto de confusão que existia por trás dos sorrisos da garota aparentemente tranquila. Nada que me preocupasse. Ninguém que fosse capaz de quebrar essa dura proteção com a qual eu me encobria. Pessoas de quem eu gostava, sim - amava até - mas que não me tinham por inteiro. Não me faziam pensar nelas mais que o normal, mais que o necessário.

Tive alguns amigos. Alguns bons amigos. Pessoas que eu não queria afastar, que eu queria que estivessem comigo. Pessoas das quais eu desejava a companhia.

Tive algumas paixonites também, nada sério. Alguns garotos bonitos demais, alguns garotos legais demais. Uma ou duas paixões reais. Garotos interessantes demais, misteriosos demais, encantadores demais. Nenhum deles me fez deixar de ser apenas a garota da solidão.

E eu estava feliz em ser, pra sempre, a garota da solidão. Incompleta - mas feliz.

É isso que me faz pensar de onde vem o que eu sinto. Pessoas passam a vida procurando sua alma gêmea, par perfeito, ou como queiram chamar. Pessoas confundem paixão com algo mais. E muitas dessas pessoas, elas simplesmente não sentem. Não sentem o que estão procurando, enquanto que eu... Eu nunca esperei pelo príncipe encantado. Eu nunca gostei de contos de fada, para dizer a verdade.

E do nada, lá estavam. Todos os sintomas da chamada paixão. Todos os sintomas que eu já havia sentido, em uma proporção esmagadoramente maior.

E em pouquíssimo tempo, sem ordem alguma, lá estava você. Na minha mente, nos meus sonhos, na escola, no msn, nas inúmeras mensagens de celular, na minha vida, em todo lugar pra onde eu olhava.

Por algum motivo, as borboletas perderam as cores, as flores perderam o perfume, e os fins de semana perderam a alegria. Porque a única coisa que eu enxergava, não importa pra onde olhasse, era o seu rosto. O único perfume que me encantava era o seu. Os únicos momentos em que eu estava feliz - realmente feliz - era quando estava com você.

E, finalmente, sem motivo algum, eu deixei de ser a garota da solidão. Eu passei a ser a garota do amor. Às vezes, a garota da dor. Mas a garota completa. A garota feliz
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário